Rosana Valle consegue da SPU área de 6.900 m² em SV para 240 moradias populares

Uma área de 6.961 metros quadrados, no Parque Bitaru, poderá ser destinada para a construção de ao menos 240 moradias populares a serem habitadas por ocupantes de áreas de risco em São Vicente.


A doação definitiva da área e a possibilidade de destinação dos recursos para a obra foram confirmadas nesta quinta-feira (22/4) em reunião convocada pela deputada federal Rosana Valle (PSB) com a secretária de Habitação de São Vicente, Camila Oliveira; o superintendente da Secretaria de Patrimônio da União (SPU) em São Paulo, Denis Oliveira e o vereador Jhonny Sasaki (PSB).


Denis Oliveira, da SPU, informou a intenção do órgão de destinar a área para a viabilização de um projeto piloto que envolverá o Ministério do Desenvolvimento Regional (MDR) e a SPU. Uma portaria conjunta regulamentando o programa do Governo Federal será publicada em breve. Enquanto isso, a deputada Rosana Valle já acionou a Prefeitura ade São Vicente para que apresente o projeto que definirá o número exato de unidades a serem edificadas no local.


A área fica nos fundos da Rodoviária de São Vicente, delimitada pelo Rio da Vó e perto da Rua Japão. Bem próximo já estão em construção 416 unidades populares, no Parque Bitaru. A secretaria Camila Oliveira acredita que a área comporte até mais que as 240 unidades.


A deputada Rosana Valle manterá contatos com o secretário Nacional da Habitação, Alfredo Santos, e com o ministro do MDR, Rogério Marinho, para apressar a publicação da portaria que poderá viabilizar os recursos para o novo conjunto.


“Fico muito feliz com a parceria da SPU, pois temos um grande déficit habitacional na região, de mais de 100 mil moradias, que precisa ser resolvido”, afirmou a parlamentar.


Rosana lembrou do desfecho positivo do Governo Federal, através da Caixa Econômica para a retomada das obras de 1.120 apartamentos no Conjunto Tancredo Neves III, em São Vicente, e mais outros 240 no Cantagalo, em Guarujá.


“Passamos no Bitaru e não nos conformamos em ver aquelas área sem uso enquanto temos, ao lado, a Comunidade do México-70, que precisa de moradias, além de tanta gente que está na fila de espera de uma moradia digna. Cresci num conjunto habitacional e sei como é importante ter um lugar para morar que não seja numa área de risco”, concluiu a deputada.






13 visualizações0 comentário