Secretaria da Mulher da Câmara Federal repudia censura de prefeito à deputada Rosana Valle

A Secretaria da Mulher da Câmara dos Deputados, que representa a Bancada Feminina, emitiu nota manifestando repúdio à conduta do prefeito de Santos, Rogério Santos (PSDB), por impedir o direito de fala à deputada federal Rosana Valle (PSB), garantido por escrito e depois vetado, tudo na mesma reunião de prefeitos liderada por ele, na condição de presidente do Conselho de Desenvolvimento da Região Metropolitana da Baixada Santista (Condesb).


A Secretaria da Mulher reforça que a bancada feminina não poupará esforços para “combater quaisquer ações de violência, sejam por palavras ou atos ou crimes de ódio que busquem ofuscar os recentes anos de conquistas sociais alcançadas pelas mulheres”.


Afirma, ainda, a nota, que o órgão defende os direitos de participação política da mulher, e que jamais deixará de se pronunciar diante de quaisquer atos de violência contra as mulheres que chegarem ao seu conhecimento.


A Secretaria da Mulher lembra que o ato contra a deputada Rosana Valle ocorreu durante reunião virtual do Condesb, órgão que representa os nove prefeitos da Baixada, realizada terça-feira (5/10). Na ocasião, a deputada, citada no início da reunião, pediu a palavra para esclarecer que, por ter autonomia, cobrou recentemente do Governo do Estado de São Paulo informações sobre os repasses ao Fundo Metropolitano para viabilizar obras e ações de caráter regional, e que também pediu a relação das obras em andamento.


“Entretanto, para perplexidade da deputada, o prefeito da cidade de Santos não a deixou falar, tendo simplesmente vetado sua participação na reunião, algo que ela considerou inconcebível, uma vez que, como parlamentar, em pleno exercício de seu mandato, sua atuação se dá para, entre diversas ações, buscar informações justamente para ajudar o Condesb”, informa a nota.


O órgão destaca ainda: “Lamentamos a postura e o comportamento do prefeito de Santos, por não respeitar a importante prerrogativa da parlamentar de poder falar conforme suas convicções, algo inerente ao exercício do seu mandato”.


E conclui que a deputada, “embora tenha ficado por cerca de uma hora, com o rosto no vídeo, sendo vista por todos os participantes, e ter recebido dos organizadores, durante o evento, via chat, como está registrado, a garantia de que iria falar, o prefeito simplesmente terminou a reunião e não a deixou falar”.







11 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo