REDES SOCIAIS

  • Facebook - Círculo Branco
  • Instagram - White Circle
  • YouTube - Círculo Branco
  • Twitter - Círculo Branco

Acompanhe nossas redes sociais

ACOMPANHE!

Cadastre-se e receba informações do mandato em seu whatsapp

BRASILIA

Câmara dos Deputados
Palácio do Congresso Nacional
Praça dos Três Poderes - Brasilia - DF
Anexo IV - Gabinete 529
CEP 70160-900
Telefone: (61) 3215-5529

SANTOS

Av. Ana Costa, 146
Salas 301 e 302
Vila Mathias - Santos - SP
CEP 11060-000
Telefone: (13) 3232-1551

SEGURANÇA

ATUAÇÃO

VALORIZAÇÃO DOS 
AGENTES DE SEGURANÇA

O país precisa valorizar e recuperar as condições de seu policiamento que tem como maior objetivo proteger a sociedade. Os profissionais são alvos de bandidos, execuções e sofrem perseguições. Segundo a Ordem dos Policiais do Brasil (OPB), foram mortos 493 policiais em 2016. Em 2017 esse total subiu para 552.

É preciso resgatar o respeito e proteção a esses profissionais, além de estrutura física e apoio à instituição. A polícia precisa de investimento em tecnologia, equipamentos, qualificação e em muitos outros aspectos. São necessárias penas mais severas para aqueles que atentem contra a vida dos agentes de segurança e sua família em todo o território nacional.

REVISÃO DO CÓDIGO

PENAL BRASILEIRO

O Código Penal vigente no Brasil foi criado pelo decreto-lei nº 2.848, de 7 de dezembro de 1940, pelo então presidente Getúlio Vargas. Muita coisa mudou desde então, é preciso que aconteça uma revisão com leis mais rigorosas. Uma delas é o fim da progressão de pena, que garante o cumprimento integral da sentença proferida.


Defenderei penas mais severas a crimes hediondos que colocam em risco a vida das pessoas, como sequestros, roubos com armas pesadas e estupros. Os crimes de colarinho branco também devem ser punidos com maior rigor, pois afetam a população com menos recursos. Esses crimes desviam verbas públicas que iriam colaborar com a melhora da saúde, educação, segurança e outros segmentos essenciais.

REVISÃO DA

MAIORIDADE PENAL

A redução da maioridade penal para os 16 anos deve ser acompanhada por uma reestruturação no sistema carcerário brasileiro. O Estatuto da Criança e do Adolescente cita medidas socioeducativas para infratores, não penas; cita infrações, mas não crimes. Essa forma abranda a realidade de muitos crimes.

Por muitas vezes, as ações são reincidentes e o indivíduo não se preocupa em repetir as más práticas, pois não há punição. A partir dos 16 anos qualquer cidadão tem o discernimento necessário para o reconhecimento das próprias ações.

PROJETOS

- Projeto de lei que retira o porte e a arma de indivíduo que comete violência contra a mulher.

Co-autora , junto com o deputado Alessandro Mollon (PSB/RJ) 

 

- Projeto de lei que regulamenta a fiscalização de barragens no Brasil.

Co-autora junto com o deputado Alessandro Mollon (PSB/RJ)

- Integrante da Comissão Externa Parlamentar , que vai fiscalizar os casos de violência doméstica e feminicídio no Brasil.